quarta-feira, 28 de abril de 2010

prólogo

prólogo

Em mim, uma felicidade desapontada caminhava em busca de algo que lhe fizesse sentir a si. Tudo estranho na cidade do meu coração. Um peito de repente despovoado. Uma grande fuga se sucedeu ali, no mundo onde me tornei um Deus solitário sem saber tratar a natureza desses sentimentos forasteiros que residem em minha existência. Guerra declarada da dor, capitã daquela nau de anseios perdidos, versus uma felicidade atrevida por afrontar a amargura sem esquadrão para vencer aquela poderosa agonia que domava meu íntimo. Eu, durante meu cotidiano apenas assistia enxovalhado na cama pela angustia, sem saber como amparar aquilo que era só meu.

caio sóh

3 comentários:

  1. Sóh, Seu Caio!
    Só seu,Caio?
    Amo tudo que vcs escrevem...
    bjos

    ResponderExcluir
  2. meu GRande AMIGO!

    que saudade já!

    tão perto, aprendo tanto.

    amo vc.

    ResponderExcluir
  3. Quem te falou sobre mim?rsrs
    Me identifiquei...quantas vezes me senti assim...quanto mais te conheço mais te admiro.

    Bjs no coração!

    ResponderExcluir